JUSSARA SILVEIRA - CANÇOES DE CAYMMI

Duplo clique para aumentar imagem

Reduzir
Aumentar

Mais Imagens

  • JUSSARA SILVEIRA - CANÇOES DE CAYMMI

JUSSARA SILVEIRA - CANÇOES DE CAYMMI CD BRA

Seja o primeiro a avaliar este produto

R$30,00

Em estoque

1 O Vento 02:59
2 La Vem A Baiana 04:00
3 Nem Eu 04:48
4 O Anjo Da Noite 02:35
5 Voce Diz Que Amor E Crime 04:09
6 Maracangalha 03:58
7 Yaya Nao Sabe/Voce Nao Sabe Amar 04:42
8 Horas 02:40
9 Milagre 04:13
10 Canto De Nana/Quem Vem Pra Beira Do Mar 04:09
11 Saudade De Itapoa 03:56
12 Adalgisa 02:47
13 O Vento 00:36

Detalhes

Dorival Caymmi nasceu em 30 de abril de 1914, em Salvador na Bahia. Cantor, compositor e violonista, Caymmi já faz parte do panteão de estrelas, dentre os mais importantes "mestres" da música popular brasileira. Por "tradição" e coração, baiana, mas mineira de nascença, a cantora Jussara Silveira, prestou uma homenagem nesse belíssimo CD "Jussara Canções de Caymmi", lançado em 1998, que já é considerado um dos mais belos tributos ao compositor, que esse ano completa 90 anos.Este título, tirado do ensaio do poeta Octavio Paz, que recentemente nos deixou, não está aqui por acaso, mas porque faremos deles, o título, o ensaio e Octavio Paz, um uso indevido. Um uso, porque abraçaremos algumas das idéias lá colocadas, de que “os homens se reconhecem nas obras de arte porque estas oferecem imagens de sua totalidade oculta” e que “não importa muito que a obra seja lida ao princípio só por alguns: a preservação da memória coletiva por um grupo, embora pequeno, é uma verdadeira tábua de salvação para a comunidade inteira. Nestas tábuas, as tradições e as culturas atravessam os mares do tempo”. Estas idéias estão opostas, para Paz, aos “assuntos públicos: idéias religiosas e políticas, disputas sobre as crenças e as instituições, movimentos de opiniões… fatos, notícias e nomes…”, que termina seu ensaio, após uma breve análise da difusão da publicação de poemas, constatando um movimento, inverso ao da mercadoria, de pequenas edições a verdadeiros baluartes de culturas nacionais e concluindo que, neste caso, é mais significativa a continuidade que a quantidade de exemplares. “A poesia não procura a imortalidade e sim a ressurreição”. Indevido, entretanto, porque usaremos suas idéias, não aplicadas à “mudança de sensibilidade e visão” intrínsecas a uma cultura formada e em evolução, mas a uma cultura em formação e a uma manifestação poética pouco ortodoxa: a música popular. “O leitor deve cultivar-se”, concordamos com Paz, mas, em nosso caso brasileiro, cultivar-se sobre que chão? Qual é a nossa “totalidade oculta”? Em que ela se representa? Alguns devem, com razão, incomodar-se de conviver com os poderosos influxos de culturas do primeiro mundo e nossas chimfrins manifestações de identidade nacional, mas não foi à toa que, no Brasil do pós-guerra, surgiu a necessidade de aprofundar-se a música popular para além da indústria do divertimento. Antes disso, haviam sido plantadas as sementes: Noel Rosa e a consolidação do samba nos meios de massa, Luiz Gonzaga e a invenção de um baião nordestino em pleno centro urbano do Rio de Janeiro, Dorival Caymmi e a construção de uma Bahia mítica e deleitosa. Coisas, hoje, tão naturais. Alguns exemplos de nossa propriedade criativa. Caymmi, neste sentido, foi um dos nossos artistas mais claros. Um dos que mais voluntaria e deliberadamente trilhou a ponte entre o folclórico e o popular, confessando e aludindo às suas fontes, enquanto as recriava com rara mestria artística. Uma falsa Bahia? Sim, mas também uma representação possível da verdadeira. E não só da Bahia, porque, como Noel e Gonzaga, toca nossa “totalidade oculta”. Isto não quer dizer que não prossigam os “assuntos públicos”, as vaidades e os divertimentos, elementos que a própria música popular carrega, como produto de massa que é. Mas existe também aí um eixo que sustenta, no tempo, “a preservação da memória coletiva”. Entre nós e na nossa música, os poucos estão entre os muitos. É difícil distingui-los. Estão misturados. Fazem, praticamente, a mesma coisa. O disco Canções de Caymmi de Jussara Silveira realiza, em sua concepção, uma sutil ligação entre registros anteriores, que serviram de base ao próprio Caymmi, e sonoridades posteriores, deixando Caymmi como ponte, que é, entre nosso passado e nosso futuro e preservando os elementos utilizados por Caymmi em suas criações, seu violão, suas cadências harmônicas. Jussara Silveira interpreta Caymmi com a densidade e a justeza devidas ao mestre e com a propriedade interpretativa que lhe tem rendido um merecido reconhecimento nestes últimos tempos. Jussara Silveira atualiza Caymmi naquilo que Caymmi já é atual, ao incorporar gêneros e ritmos posteriores a ele, que contudo não existiriam, da forma que existem, sem ele. Mas Jussara Silveira não interpreta Caymmi simplesmente. Não atualiza Caymmi simplesmente. De seu trabalho parecem emergir, em conjunto, todas as referências a Caymmi. Ele nos remete, ele nos faz lembrar a antiga Bahia e a nova, candomblés e pescadores, pretos e brancos, os próprios discos de Caymmi, seus filhos, João Gilberto, Carybé, Tom Jobim, Caetano Veloso… Seu trabalho toca aquilo em que Caymmi toca nossa “totalidade oculta”. Não é à toa que, para isto, Jussara conta com a colaboração de grandes artistas de nossa música: Ronaldo Bastos, Luiz Brasil, Jaques Morelenbaum entre outros. Canções de Caymmi é, sem dúvida, um disco digno de poucos em nossa música popular.

Informação Adicional

Artista JUSSARA SILVEIRA
Formato da Mídia CD
Gravadora UNIVERSAL MUSIC
Origem BRASIL
Nº de Faixas Não
Código Identificador (SKU) PLG325912003072

Comentários do Cliente

Queremos saber sua opinião

Apenas usuários registrados podem comentar. Por favor, identifique-se ou cadastre-se

Tags do Produto

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.